Look da Anita

Vocês se lembram como, há tempos atrás, os conceitos ligados à moda (na verdade, a quase tudo) eram mais rígidos, e por isso, também as regras? Por exemplo: cinza não se usava muito no verão, e, por outro lado, flores e cores não eram muito vistas no inverno.  Só que graaaaaças a Deus, a moda foi se tornando cada vez mais aberta, democrática e eclética com o tempo e, assim, usa-se de tudo e sempre, o que é perfeito, pois não nos limitamos! Ao contrário, podemos abrir nossa mente, criar, ousar e abusar..

Partindo desta ideia a Engenharia da Roupa trouxe para a sua coleção de verão o “tweed”, tecido tradicionamente visto no inverno, mas que, com o tempo, foi sendo difundido para as outras estações. E isto é maravilhoso, pois um tecido como este (que eu, particularmente, acho elegantérrimo) se limitar a alguns poucos meses no ano é até um sacrilégio!!

Neste sentido, a ER trabalhou com o tweed em sua coleção de verão também e o resultado é este aí: peças lindas, clássicas, atemporais e muito elegantes. Vocês não sabem o quanto amei esta proposta!?! Acho que as amantes do estilo romântico, ladylike, não têm como não se apaixonar! Vejam que produção mais fofa!? <3..07_AnitaBemCriada-79 - Cópia07_AnitaBemCriada-8507_AnitaBemCriada-10607_AnitaBemCriada-9407_AnitaBemCriada-9007_AnitaBemCriada-9207_AnitaBemCriada-11207_AnitaBemCriada-10307_AnitaBemCriada-112Vestido e casaqueto: Engenharia da Roupa; scarpin: Schutz; batom: Flat out Fabulous + Pink Nouveau, MAC

Diário de Anita: Especial Tiradentes

Quem me acompanhou no instagram (@anitabemcriada) viu que passei os últimos dias na maravilhosa e amada Tiradentes. Então o Diário de hoje vai ser um resuminho desses dias por lá! Mas antes, para quem não conhece, vou contar um pouquinho da história da cidade.

“O ouro descoberto nas imediações do Rio das Mortes, em 1702, fez com que muitos aventureiros paulistas e emboabas se fixassem em um pequeno arraial, onde construíram uma capela em devoção a Santo Antônio. Alguns historiadores dão como primeiro nome a essa povoação o de arraial da Ponta do Morro.

Sendo um dos locais com maior quantidade de ouro de superfície do Brasil, se desenvolveu rapidamente e em 1718 passou a ser chamado de Vila de São José Del Rei, em homenagem ao Príncipe D. José, futuro rei de Portugal. Nessa época, a cidade ganhou a configuração arquitetônica que permanece até hoje. No século XIX a produção do ouro começou a diminuir, mas a coroa portuguesa ainda assim lançou a derrama, exigindo o pagamento compulsório de impostos atrasados do quinto do ouro. Nasceu a partir dessa atitude opressora da metrópole, um sentimento revolucionário, conhecido como Inconfidência Mineira. José da Silva Xavier, o Tiradentes, foi o líder do movimento, que tinha como objetivo transformar o Brasil numa república independente de Portugal. Após o delato de um dos participantes do movimento, o alferes foi condenado, em 1792, pelas tropas oficias à forca em praça pública.

Em 6 de dezembro de 1889, após a Proclamação da República, a cidade passou a ser chamada de Tiradentes, em homenagem ao herói que lutou pela Independência do Brasil. Tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1938, a cidade ainda possui vários exemplares da arquitetura do século XVIII, como a Matriz de Santo Antônio, que tem a fachada esculpida com as belas formas feitas por Alejadinho e muitas outras igrejas e museus. A Maria Fumaça também é uma das atrações que, desde sua construção em 1881, funciona a pleno vapor. A famosa Mostra de Cinema de Tiradentes e o Festival de Gastronomia de Tiradentes são ótimas oportunidades para visitar a cidade que, como se não bastasse, ainda está rodeada por cachoeiras.”

Mas então! A ideia era passar um final de semana gostosinho em uma cidade perto de BH. Como o maridão ainda não conhecia Tiradentes, não tive dúvida de que era a opção certa! Escolha feita, “rumamos” para esta linda e charmosinha cidade que tanto amo! No caminho, já entrando no clima, restaurantes ao melhor estilo mineiro e com muuuita comida, quitanda e doces! foto (64)Como o tempo seria curto, eu queria que fosse intenso. E assim, a escolha de estadia foi a maravilhosa Pousada Pequena Tiradentes. Para quem nunca ouviu falar, a Pequena Tiradentes é uma pousada feita como réplica da própria cidade de Tiradentes. Uma coisa de outro mundo, de tanta fofura! Ruelinhas, bequinhos, calçamentos de pedras, portões e arquitetura típica. Quando cheguei no meu quarto e vi a vista, quase morri de encantamento.. Vejam que graça!foto (3) Bom, mas como o dia foi agitado (trabalho e estrada + trânsito) decidimos ficar por conta de curtir a pousada mesmo. Exploramos, conhecemos e, para arrematar a noite, um vinhozinho com uns “comes” para acompanhar.foto (63) Nos outros dias dividimos os passeios por Tiradentes mesmo e por São João Del Rey. Em Tiradentes passeamos pelo centrinho, o Largo das Forras e rosetamos nos arredores. A cidade estava bem cheia por conta de um evento (XTerra, eu acho) que estava acontecendo no local. Como ainda não tinha andado, decidi fazer o passeio de charrete. Gente, a negócio é muuuuuuito louco! Hahah.. Muita emoção para um cavalinho só!foto (54) foto (55)Parece meigo mas é com muita emoção..rs Brincadeiras à parte, as ruelinhas pelas quais passamos de charrete são a coisa mais charmosa desse mundo. Adorei o passeio! foto (53)Em Tiradentes visitamos ainda o Museu de Sant’ Ana (recém-inaugurado). E olha, foi uma emoção tão grande, mas tão grande. Não sei se porque temos uma tradição com Sant’ Ana (fui batizada na Igreja de Santana, minha irmã nasceu no dia de Santana e na minha família são quase 10 Anas, incluindo a minha avó – que já faleceu) ou se porque realmente é algo espetacular. O lugar é lindo e é visita OBRIGATÓRIA em Tiradentes! Parabéns Ângela Gutierrez por mais esta obra de muito sucesso. fotoPara São João Del Rey, fomos de Maria-fumaça! Gente, que emoção! Me senti nos filmes e nas novelas de época. O passeio dura de 30 a 40 minutos e é uma delícia. Indico muito! Chegando lá fizemos um tour pela cidade, conhecendo monumentos importantes, igrejas, a “Rua das casas tortas” e a casa de algumas personalidades como o “Solar dos Neves” e a casa do Aécio Neves na cidade. foto (62)foto (48)foto (61)foto (56)foto (59)foto (58)foto (57)No sábado à noite estava tudo pronto para conhecermos o Tragaluz, restaurante famosos na cidade. Reservas feitas e programação no jeito. Só que a Pequena Tiradentes é tão, mas tão, mas tão tudo, que não conseguimos sair de lá. Curtimos uma piscininha à noite e jantamos pelo restaurante da pousada mesmo. foto (52)Aquela rotina de acordar e tomar aqueeeeeeeele café maravilhoso, com uma vista linda e todos os melhores quitutes dessa vida eu quero todo dia..rs. foto (51)E o último dia foi curtindo uma piscininha porque também sou filha de Deus e precisava mesmo era descansar. Para não estender demais o Diário, vou fazer um post específico para contar sobre a Pequena Tiradentes. Imperdível!foto (49)E para não dizerem que não teve look do dia, aqui vai um: chinelo, short, biquini, óculos e conforto!foto (47)

Música do dia: “Budapest”, de George Ezra

George Ezra Barnett é um cantor e compositor britânico de Bristol, nascido em 6 de Junho de 1993. Ezra cresceu em Hertford e frequentava a escola secundária Simon Balle. Ele lançou seu primeiro EP Did You Heart the Rain? em outubro de 2013 e seu segundo EP Cassy O’ foi lançado em março de 2014. Ezra cita Bob Dylan e Woody Guthrie como suas influências musicais. Seu som tem sido descrito como blues, com ‘uma voz para além dos anos’.

Com uma carreira tão precoce e tão recente, vem recebendo elogios das mais variadas críticas e segmentos. E a escolhida para trazer para vocês foi “Budapest”. Bom final de semana, pessoal!

Look da Anita

Oizinho! Hoje trago para vocês o look que usei para comemorar meu anivesrário de casamento na semana passada, como contei no último Diário de Anita! Pois então, como lá eu disse, não teria estampa mais apropriada para a ocasião. Isto porque usei uma produção da marca B.Bouclé, uma marca mineira com ares parisienses que tive a honra e o prazer de conhecer mais de perto há algumas semanas, cuja coleção intitulada “Casa Comigo”, teve como tema central o amor.. Ahhh, o amor!

Nesta coleção da B.Bouclé, o coração, símbolo maior do amor, é mostrado tanto na estamparia, quanto em diversos detalhes, fazendo parceria com o incrível trançado de macramê. A riqueza nos detalhes da coleção é de encher os olhos! Neste look que escolhi é possível perceber como a marca trabalha com uma roupa atual, mas com um shape clássico e atemporal, elaborado com criatividade, modelagem e acabamento perfeitos, tudo de acordo com a alma da talentosa estilista da marca, Bárbara Maciel.

Fotos: Lucinha Machado Fotografia (@lucinha_fotografia lucinhamachado.fotografia@gmail.com)07_AnitaBemCriada-4507_AnitaBemCriada-4907_AnitaBemCriada-6707_AnitaBemCriada-6907_AnitaBemCriada-7407_AnitaBemCriada-5107_AnitaBemCriada-54

07_AnitaBemCriada-4407_AnitaBemCriada-46Conjunto: B.Bouclé; bolsa: Zara; scarpin; Schutz; batom: Rebel, MAC

O que vem por aí: bermudas (long shorts)

Se alguém acompanhou as últimas/recentes semanas de moda ao redor do mundo (Nova York, Londres, Milão..) com certeza reparou como as bermudas vieram com força total. Nos eventos de moda passadas as peças foram vistas nas passarelas e agora, efetivamente, e como nunca, nas ruas, nos bastidores, enfim, no famoso “street style“.

O legal é que tem a proposta para todo tipo, gosto, estilo. Bermudas em alfaiataria, jeans, estilo boyfriend, mais justinha (estilo skinny), com tecido encorpado, tecido com caimento mais fluido, enfim, a moda, mais uma vez, demonstrado todo seu espírito democrático de ser.

A ideia da bermuda é muito interessante, especialmente em países tropicais e de calor intenso como o nosso, sendo também uma excelente alternativa para o trabalho (especialmente as em alfaiataria). Pelo sim, pelo não, separei aqui algumas possibilidades para vocês. Vejam!13265121113410

Imagens: Google

1 de 17312345...Última